“Aquaman” 2018

aquaman - featured image

As bloggers More Than Entertainment e Tagarela Geek, voltam a juntar-se uma vez mais para uma crítica conjunta, desta vez sobre o último filme que ambas assistiram no cinema em 2018, Aquaman.

Ação, Aventura, Fantasia e Ficção Científica

Realização: James Wan

Elenco: Jason Momoa, Amber Heard, Patrick Wilson

Metade humano e outra metade atlante, Arthur Curry parte numa jornada com os seus aliados Mera e Vulko para encontrar o tridente do rei, uma arma mítica capaz de controlar os sete mares. O trio precisa cumprir o seu objetivo antes de Orm, meio-irmão de Arthur que pretende derrubá-lo e tomar o trono de Atlântida.

 

Curiosidade

O Aquaman é uma personagem que pertence ao universo da DC Comics, criado por Paul Norris e Mort Weisinger, tendo tido a sua primeira estreia em Novembro de 1941 na More Fun Comics #73. Ele chegou a ser membro fundador da Liga da Justiça da América, nos finais de 1950 e 1960. Já na época de 90, considerada a Era Moderna das Bandas Desenhadas, o Aquaman tem interpretações de maior peso, com enredos mais vocacionados para o seu papel como rei de Atlantis.

Opinião

O filme passa-se depois dos eventos do filme “Justice League”, e Mera procura a ajuda de Arthur para travar o seu meio-irmão, e assim reclamar para si o trono de Atlântida. Contudo, Arthur não se vê como rei, e apenas aceita ajudar a evitar uma guerra entre a Atlântida e a superfície. Para além da ameaça de Ocean Master, Arthur ainda tem à perna Black Manta, que procura vingar-se dele. E, assim se vai passando o filme, até Arthur Curry se tornar rei da Atlântida.

O argumento do filme peca principalmente no diálogo, que por vezes se torna tonto, com piadas previsíveis e patetas. O enredo até é interessante, pois usufrui de dois vilões interessantes, principalmente Ocean Master. E, claro de um herói carismático. Outro ponto menos positivo no argumento é o desenvolvimento da relação entre Mera e Arthur, que é rápido demais e podia ter sido melhor construído.

O que não falta no filme é ação, e essa sim foi uma mais valia no filme. Em relação aos efeitos especiais, tiveram melhor do que se esperava. Contudo, há que lembrar que Aquaman é um filme que se passa maioritariamente debaixo de água, com batalhas aquáticas, e podem tornar-se confusas por vezes, por serem muitas coisas a acontecer ao mesmo tempo, com um espetáculo de cores subaquáticas e criaturas incríveis, quando somos introduzidos a Atlântida.

James Wan realiza este filme da melhor maneira possível, consoante o material que teve. Só penso que se fosse outro realizador, podia ter corrido pior.

O elenco é composto por vários actores e actrizes reconhecidos. Jason Momoa faz um bom trabalho como Aquaman ao torná-lo mais carismático e apetecível ao público apologista da frase “Aquaman sucks”. Contudo, o argumento tornou-o demasiado pateta por vezes, e burro, que está a anos luz da minha primeira imagem do Aquaman, que foi a do desenho animado da “Liga da Justiça”. Amber Heard não desilude como Mera, apenas fica demasiado na retina a cor do cabelo, que é demasiado estranha. O filme é melhor por ter Patrick Wilson como vilão, até ficamos com pena de não o ver mais. Vemos Nicole Kidman como nunca a vimos, uma rainha guerreira destemida, e não se saiu nada mal.

“Aquaman” é um filme pipoca divertido, com muita ação e efeitos especiais á mistura. Contudo, alguma da comédia é exagerada e tem algumas partes muito genéricas que poderiam ter sido trabalhadas de outra forma.

Anúncios